16 de agosto de 2016

A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA E A AUDITORIA GOVERNAMENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA O COMBATE À CORRUPÇÃO NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS

Ao analisar a História brasileira, desde seu descobrimento até os dias atuais, a sociedade brasileira vive há muito tempo conformada com a prática da corrupção passiva no setor público, todos creem mais na impunidade, determinada por um sistema maculado de velhos tempos, do que propriamente na justiça.                                         
Aqui, no Brasil, terra de povo humilde, simples, alegre, a corrupção gerou até, pode-se dizer, uma subcultura, uma etnia, muito se ouve falar no velho e bom “jeitinho brasileiro”, “cafezinho”, “cerveja”, “groja” etc. Com efeito, esse delito passou a fazer parte do cotidiano do brasileiro.                                                                                          
Por outro lado, a corrupção é um dos grandes problemas do mundo globalizado, ameaçando ao bom governo e a política idônea, desencoraja os investimentos e mitiga o desenvolvimento econômico e humano.                                                        
Dos anos oitenta e noventa até os dias atuais, houve enxurradas de denúncias e escândalos, desmascarando pessoas poderosas, políticos, envolvidos em corrupção. Esse fenômeno é consequência, justamente da globalização, do desenvolvimento tecnológico mundial; tal revelação trouxe luz aos olhos do povo, de fatos que outrora eram tolerados, hoje são repugnados e vistos como violações de direitos.                                    
Desta feita, o povo passou a exigir atitudes do governo, emanar opiniões, a participar do controle e fiscalizar a administração pública.                                                                    
O panorama que envolve o tema, tão comentado pelos brasileiros atualmente, principalmente pela crise que assola nosso país, e que de determinada maneira se agrava por conta de reflexos da corrupção, não se esgota nos estudos aqui apresentados e desenvolvidos, mas a verdadeira intenção é refletir, e mensurar a extensão, que tal delito abrange e afeta. Como também, buscar a verdade intimamente, através de uma autoanálise, se a ganância e a corrupção, são males inerentes ao ser humano.                             
            Segundo a revista Veja, de 26 de outubro de 2011, que busca fazer um vínculo concreto entre a corrupção e os danos à sociedade. A matéria ressalta que os R$ 85 bilhões desviados mediante corrupção no ano de 2010 poderiam ser empregados para: “1 – Erradicar a miséria; 2 – Custear 17 milhões de sessões de quimioterapia; 3 – Custear 34 milhões de diárias de UTI nos melhores hospitais; 4 – Construir 241 km de metrô; 5 – Construir 36.000 km de rodovias; 6 – Construir 1,5 milhões de casas; 7 – Reduzir 1,2% na taxa de juros; 8 – Dar a cada brasileiro um prêmio de R$ 443,00 reais; 9 – Custear 2 milhões de bolsas de mestrado; e 10 – Comprar 18 milhões de bolsas de luxo”.                                                
            O tema é relevante e atual à medida que há uma proliferação de escândalos com que a sociedade se defronta diariamente ocupando a maior parte dos noticiários e dos mais variados meios de comunicação. Por conseguinte, cada vez mais se exige dos governantes uma maior transparência dos atos governamentais para obtenção do controle social.

Daniel Augusto Medeiros da Silva, Contador,
 Pós Graduando em Auditoria e Controladoria pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário